Singeperon se reúne com promotor e expõe necessidades de Agentes de Segurança Socioeducativos

Daihane Gomes enfatiza a grande insatisfação dos Agentes de Segurança Socioeducativos, com relação as promessas não cumpridas.

0
283

Representantes da diretoria do Sindicato dos Agentes Penitenciários, Agentes de Segurança Socioeducativos, Técnicos Penitenciários e Agentes Administrativos Penitenciários do Estado de Rondônia—Singeperon, estiveram reunidos nesta terça-feira (03), na promotoria de justiça da infância e da juventude em Porto Velho.

O Singeperon se colocou à disposição para edificar um diálogo nos trabalhos, para contribuir nas melhorias e condições de trabalho exercido pelos Agentes de Segurança Socioeducativos de Rondônia.

Foram apresentadas algumas demandas e anseios da categoria, dentre as demandas apresentadas pelo Singeperon, foi apresentado pelo promotor de justiça o novo projeto de reestruturação das unidades socioeducativas, que inclusive já dispõe de recursos financeiros para que se inicie na construção dos novos modelos das unidades socioeducativas, disse que entende que os Agentes de Segurança Socioeducativos trabalham além do limite de segurança, que avalia a responsabilidade somente mediante  possíveis negligências devido a falta de materiais e servidores.

Daihane Gomes enfatiza a grande insatisfação dos Agentes de Segurança Socioeducativos, com relação as promessas não cumpridas quanto a vida funcional dos servidores, que esperam há mais de 07 meses para a elaboração do PCCR e dos benefícios prometidos.

A presidente ressaltou que já foram anos trabalhando no PCCR da categoria quando ainda faziam parte da secretaria de estado da justiça (Sejus), inclusive participou de algumas comissões, disse que agora é o melhor momento para que a categoria que tanto padece possa ter a dignidade de um PCCR, e que espera a ajuda da promotoria da infância e juventude.

O promotor de justiça entende que deve acontecer o quanto antes o PCCR da categoria, e que irá verificar junto a presidente da FEASE, cobrar quanto a confecção deste plano. O promotor Afirmou que sabe ser de suma importância para os agentes de segurança socioeducativos, entende também ser os servidores parte primordial na estruturação da FEASE. Concorda ser legítimo a demanda, que fora prometido quanto a regionalização e criação da FEASE. Inclusive que ao tempo da regionalização se posicionou contrário por entender que não ia trazer benefícios as medidas socioeducativas.

Ele disse também que é a favor do uso do “bastão tonfa,” mediante a regulamentação por parte da FEASE, e espera da fundação essa regulamentação para a atribuição ao uso dos Agentes de Segurança Socioeducativos.

O promotor Éverson se colocou a inteira disposição para parceria com o Singeperon em esclarecer todos os pontos controversos no trabalho da FEASE. quanto ao PCCR, ele disse que irá interceder junto a FEASE para elaboração e implantação do plano, caso não obtenha êxito administrativamente, se comprometeu em judicializar através da Ação Civil Pública, para que o Estado cumpra os direitos dos Agentes de Segurança Socioeducativos.

Ata de reunião entre o singeperon e a promotoria de justiça da infância e da juventude em Porto Velho