A esperança é a última que morre, por isso esperamos até agora para nos pronunciar, já que o quadro da nossa colega policial penal Laudicéia Bezerra Siqueira Campos foi informado como irreversível. Embora continuava respirando através de aparelhos, ela sofreu uma lesão cerebral muito acentuada após parada cardíaca – complicações decorrentes do Covid-19.

A Diretoria do Singeperon estava o tempo todo acompanhando a situação da colega. Todos estamos bastante comovidos pela morte precoce, aos 34 anos, de uma pessoa tão cheia de vida, amada por muitos, e que distribuía alegria por onde passava. Participava dos movimentos da classe e foi guerreira até os últimos instantes da vida.

Laudicéia estava há 4 anos na carreira penitenciária, tendo ingressado em março de 2016. Atualmente estava lotada na Penitenciária Feminina (PEFEM), em Porto Velho. Deixou um filho de 7 anos e muitas saudades a boas lembranças a todos que conviveram com ela.

O momento é difícil para todos nós, e muito mais difícil para a família, e o filho, que precisam muito das nossas orações, pedindo a Deus o consolo e força para seguirem em frente.

“Combati o bom combate, acabei a carreira, guardei a fé.” – 2 Timóteo 4:7

Descanse em paz Laudicéia

A esperança é a última que morre, por isso esperamos até agora para nos pronunciar, já que o quadro da nossa colega policial penal Laudicéia Bezerra Siqueira Campos foi informado como irreversível. Embora continuava respirando através de aparelhos, ela sofreu uma lesão cerebral muito acentuada após parada cardíaca – complicações decorrentes do Covid-19. A Diretoria do Singeperon estava o tempo todo acompanhando a situação da colega. Todos estamos bastante comovidos pela morte precoce, aos 34 anos, de uma pessoa tão cheia de vida, amada por muitos, e que distribuía alegria por onde passava. Participava dos movimentos da classe e foi guerreira até os últimos instantes da vida. Laudicéia estava há 4 anos na carreira penitenciária, tendo ingressado em março de 2016. Atualmente estava lotada na Penitenciária Feminina (PEFEM), em Porto Velho. Deixou um filho de 7 anos e muitas saudades a boas lembranças a todos que conviveram com ela.O momento é difícil para todos nós, e muito mais difícil para a família, e o filho, que precisam muito das nossas orações, pedindo a Deus o consolo e força para seguirem em frente. "Combati o bom combate, acabei a carreira, guardei a fé." – 2 Timóteo 4:7Diretoria Executiva

Publicado por Singeperon em Terça-feira, 2 de junho de 2020